twitter



ERAS-LIVRO 1: DESPERTAR


Título: Eras: Despertar
Autor: Stephen Play
Editora: Americana
ISBN: 9788563358004
Ano: 2010
Páginas: 296
         
Um livro ousado. O período com que começo esta pequena resenha resume em si o primeiro comentário que me veio à mente após ler o Livro 1, Despertar, da Série Eras, de Stephen Play.
A obra possui três narradores, o que já é por si só um estilo interessante. As diferentes perspectivas advindas das diferentes personalidades narrativas tornam o texto atrativo a uma gama maior de leitores. Kuius, Lafet-Miwo e Christian possuem um estilo próprio e perspectivas que englobam todos os lados que compõem a história.
          É realmente um texto informativo. Se dispõe a definir conceitos – em especial o de consciência e evolução – e à explanações filosóficas sobre temáticas diversas, sendo o perdão e o amor as mais constantes dentre todas as necessidades apontadas. Aqui, então, temos o ponto que, em visão, é o mais interessante da obra: a revelação de uma evolução cultural e natural do homem e do mundo totalmente divergentes daquela generalizada pela ciência e através das instituições protagonistas da sociedade.
Polêmico. Afirmar a ignorância humana ante sua própria origem e sustentar que as religiões fomentam ilusões inconsistentes ante as verdades expostas na narração de Kuius é um ato de coragem. Isso germinará em uma gama de leitores fiéis, que abraçarão com gosto esse e os outros livros da Série que ainda estão por vir. Em contrapartida muitos leitores poderão se sentir violentados em suas crenças ou mesmo no seu conhecimento secular. A estes, abraçar o livro como uma simples obra de ficção, como tantas que há, é uma atitude inteligente e necessária.
          Em síntese: é realmente um livro interessante. Mas que suscita nos seus leitores sentimentos extremos, antagônicos (oito ou oitenta, ame-o ou deixe-o), mas que provavelmente agradará à maioria daqueles que se dispuserem a uma boa leitura e tiverem uma mente aberta a novos conceitos e opiniões sobre nós e o mundo.
          Um ponto negativo?
Quanto ao conteúdo tudo é uma questão de gosto literário, e medindo-se por meu gosto em particular está tudo em ordem; até mesmo o fato de a personificação do Mal, Sorat, ser vista como necessária e com certa condescendência por Kuius é compreensível com uma breve análise da personalidade desse representante das Plêiades.
          E a capa?
         Esta, embora possua um diálogo muito bom com o conteúdo da obra, em termos artísticos e comerciais deixa a desejar. Poderia ser melhor elaborada deixando-se a capa atual como ilustração para o interior do livro, dada sua sintonia com o assunto. Mas, como comumente costuma-se dizer “não se julga um livro pela capa”. Consuma-se, então, seu conteúdo...Eu recomendo.

0 comentários:

Postar um comentário